Utilizamos cookies para melhorar sua experiência de navegação. Se você continuar no site, consideraremos que está de acordo com nossa política de Privacidade e de Cookies
0
Planalto vibra com aprovação da Reforma da Previdência
06/07/19 12:00 Fonte: Assessoria

Vitória na comissão especial deu fôlego e otimismo ao Governo na corrida pela aprovação.

Relator e presidente da comissão especial comemoram aprovação do parecer. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados.

A vitória da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019 na Comissão Especial da Reforma da Previdência foi um indicador positivo para o governo, segundo o assessor parlamentar da ANAJUSTRA, Roberto Bucar.

“Eles estão vibrando com a vitória. A maior parte do que foi retirado do texto, era previsível. Não houve nenhuma grande perda. Além disso, se a economia fosse na casa dos R$ 900 bilhões já seria uma conquista e tanto, com R$ 1,1 trilhão, a equipe econômica só tem a comemorar”, explicou.

Próximos passos

A próxima etapa é a votação em dois turnos no Plenário da Câmara dos Deputados. Para isso, é preciso que a base aliada consiga pelo menos 308 votos. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM/RJ), declarou que consegue formar maioria antes do recesso parlamentar no próximo dia 18. “Não gosto de falar número, mas há mais votos do que eu imaginava”, afirmou.

Bucar acredita que as mudanças no Plenário da Câmara devem ser pontuais. “As duas questões sensíveis ainda pendentes para o governo são a situação dos policiais militares, que foi uma promessa de campanha e são um contingente importante do eleitorado, e a inclusão dos Estados e Municípios, que virou caso de comoção nacional”, completou.

De acordo com ele, a tendência para os próximos dias é começar o trabalho de convencimento dos senadores. Isso porque depois de passar o por todo o processo na Câmara, a reforma precisa percorrer o mesmo caminho no Senado podendo, inclusive, ser modificada e retornar à avaliação dos deputados para novas votações.

“Nessas últimas grandes reformas, o Senado virou um carimbador do que a Câmara faz. Como no caso das MPs [Medidas Provisórias], eles acabam ficando sem tempo e a opinião pública se vira contra os caras, porque cria-se a impressão de que os senadores estão atrapalhando os trabalhos. Então, nos próximos dias a tendência é o governo e os próprios deputados começarem a azeitar essa relação, para que o texto não precise ser modificado lá na frente e voltar para a Câmara”, declarou Bucar.

Acessos: 1179

Navegue pelo assunto:

Parlamentares   PEC   PEC 6/19   Planejamento   Previdência   Senado Federal  
Filie-se a Anajustra

Você ainda pode ler este mês

Valorize o conteúdo feito especialmente para você, servidor da Justiça do Trabalho.

Já é associado ? Faça seu login e desbloqueie todos os conteúdos do site

Filie-se a Anajustra

Conteúdo exclusivo

Associado, para continuar lendo, faça seu

Ainda não é associado?

Faça parte da maior entidade
associativa do Judiciário Trabalhista.

Conheça os benefícios